domingo, 24 de janeiro de 2010

Um barquinho, pra bem longe.


Um barquinho, a dois. Pra bem longe, pra uma ilha bem bonita. Um barquinho à vela, de vela pequena mesmo, pois pressa não haveria. Uma voltinha, pra perto ou pra longe, conforme a vontade do vento e o aval dos deuses.

O sol a nascer e nós a partirmos, cedinho ainda, a comtemplar aquele espetáculo de cores inéditas que só a natureza mesmo para proporcionar.

Ou à tardinha, o sol despedindo-se ao passo que cumprimenta a lua cheia que já se chega. Lua de São Jorge, inspiradora dos poetas, parceira em noites insones e pano de fundo nas mais românticas noites de amor.

Qualquer dos cenários engrandeceria o momento, a vela, o barquinho, a ilha, nós dois. Pra bem longe, se não for pedir demais.

(04.12.2007. No velho caderno.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário