sábado, 30 de abril de 2011

Da noite

No calar da noite,
O doer da alma
Que pulsa, inaudível
Da vida, algumas lembranças
Da morte, a esperança: tomara chegue
Se não o fim, ao menos a luz
De um novo dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário