segunda-feira, 9 de abril de 2012

O prazer que (por ora?) desfaleceu


Que faz um ator que perde o encanto de estar no palco, que sentido há num músico que já não se sente tocado pelos sons, que sustenta um atleta a quem não mais atrai competir? Ou ainda: que faz um cronista que se desencantou com o colorido da vida?

Esmorece, míngua. Aos poucos.

Vai perdendo a vontade de sorrir, até que já não sorri mais, mesmo quando julga que deveria; vê-se amargando por dentro, lentamente, feito serpente a envolver um rato indefeso e branco; sente-se afastando do mundo como se este não lhe dissesse respeito, ou como se a insignificante parte que lhe coubesse – escrever – não mais lhe atraísse. Ah, pobre cronista que padece desse mal...!

Escurece-lhe vista, obstrui-se-lhe o peito, seca-lhe a vida: o mundo, até outro dia fervilhante e esperançoso, torna-se gélido, cortante. Vale a pena continuar escrevendo? Acaso sim, escrever sobre o quê: um mundo colorido que não lhe chega mais aos olhos, portanto insistir numa escrita que não lhe soa mais verdadeira, íntima? Ou não faltar com a verdade e assim redigir páginas e páginas da mais sincera melancolia, produzindo com isso textos que só contribuiriam para a concepção de um mundo sombrio que ele não deseja, embora dele não se liberte? São perguntas que lhe atormentam, espiral sem fim.

Noutros tempos, rebentavam com frequência crônicas e mais crônicas em seu imaginário: sentia a boca quase salivando ao pressentir que, naquele gesto gentil fotografado em meio ao caos do dia a dia, ou naquele cabelo solto da mulher esbelta que caminha na rua a passos largos, ou na lembrança súbita daquela infância feliz que não volta nunca mais – em tudo havia crônica. Ou, com perdão do neologismo chulo, tudo se afigurava ao menos cronicável.

Hoje, porém, parece-lhe estúpido o tal ofício. Juntar alguns vocábulos, formar algumas frases, recheá-las com algumas vírgulas: que mudou nas engrenagens surdas do mundo? Ou, distorcendo um pouco as palavras – estas, sim, valiosas – de Neruda: florescem as plantas das letras, amadurecem seus frutos?


Frase do dia:
"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver." 
Amyr Klink

Nenhum comentário:

Postar um comentário