sábado, 27 de novembro de 2010

O futebol.


Nesta semana rodou os noticiários esportivos de todo o Brasil a imagem de um garotinho, torcedor do Palmeiras, que, na noite desta última quarta-feira, chorou e chorou copiosamente, para todo o Brasil ver. O riso, que, como diria Vinícius de Moraes, de repente se fez pranto, se deu depois da eliminação do time do menino na Copa Sul-Americama, quando o Palmeiras, com o jogo na mão, permitiu uma virada quase aos 40 do segundo tempo. A imagem do pequeno torcedor aos prantos nos braços da mãe (acolhedora, mas sem palavras) foi cortante, emocionante.

Na quinta-feira de manhã, então, vi, no blog daquele que pra mim hoje é o melhor jornalista esportivo do País - Mauro Cezar Pereira -, um post belíssimo sobre a tal imagem e sobre como o futebol desde cedo nos oferece um dueto que - se aprende mais tarde - faz parte da vida: alegria extrema e tristeza profunda. Vitória e derrota. Riso e pranto. São coisas do futebol, coisas da vida.

E a imagem da criança deu tanta repercussão no meio esportivo por uma razão muito simples: todo mundo que torce para algum time desde moleque já chorou depois de uma derrota como o pequeno palmeirense, mas nem por isso mudou de clube. Continuou lá, firme, até o dia em que pôde sorrir abertamente mais uma vez, após um suado título conquistado. Porque o futebol é mais do que patrocínio, dinheiro, transação milionária ou direito de imagem. É paixão em sua forma mais bruta, mais verdadeira: aquela que faz a pessoa amar independentemente da retribuição que terá. Pode o clube ser campeão mundial ou ir parar na quarta divisão e o camarada continuará amando-o, torcendo - mesmo depois de adulto - feito menino, na frente da tevê ou com o ouvido colado ao radinho de pilha; xingando o juiz; zoando e sendo zoado no trabalho, no bar ou na escola; indo ao estádio para sair, depois de uma triste derrota, indignado com a vida, dizendo pra quem quiser ouvir que nunca mais pisará ali, apesar de na semana seguinte estar de volta, apoiando novamente; ou indo ao mesmo estádio para voltar rouco de tanto gritar, mas de alegria, ao lado de 40.000 desconhecidos unidos por um mesmo sentimento, que os iguala ao menos naquele momento.

Eu diria mesmo que time é, certamente, uma das poucas escolhas que você faz na vida das quais nunca mais se libertará. Pode-se mudar de cidade, de país, de mulher, de religião, de profissão ou até de preferência sexual. Mas time, meu amigo, esse não. Escolheu, já era.

E o melhor é mais tarde reconhecer, vendo-se nessa criança que chorou pelo seu clube, que torcer para um time é muito mais que futebol. É, como mais tarde perceberá também o garotinho, reflexo da vida, e ponto - ou melhor, apito - final.


Frase do dia:
"Escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria."
Clarice Lispector

Nenhum comentário:

Postar um comentário